quarta-feira, 9 de maio de 2012

Craques: Felix Magath

Com a camisa do Hamburgo, Felix Magath se consagrou, chegando até mesmo 
a ser campeão da UEFA Champions League (Foto: Getty Images)
Felipe Ferreira, @felipepf13
De Araçatuba-SP

Nos dias de hoje, quem olha a carrancuda figura de Felix Magath, atual treinador do Wolfsburg, tem conhecimento dos seus métodos ditatoriais não consegue imaginar que o hoje mais do que exigente técnico já foi um dos principais jogadores da história do futebol alemão. Apresentando-se como um meio-campista de muita técnica e habilidade, marcou época nos anos '70.

Nascido na cidade de Aschaffenburg, Magath despontou no futebol profissional no futebol profissional em 1972. Até então com 19 anos, defendeu o modesto Viktoria Aschaffenburg, clube de sua cidade. Passados dois anos, a equipe de era pequena demais para um jovem que sonhava alto no futebol. Foi decretada sua transferência para o Saarbrücken que, na época, disputava a 2ª divisão da Bundesliga. Como já era esperado, ele conseguiu destaque na divisão de acesso e chamou a atenção do Hamburgo, que acabou o arrematando no ano de 1976. 

Passando por um período de calvário em sua história, os Rothosen buscavam se reerguer e logo em sua primeira temporada no clube, Magath mostrou que poderia ser uma peça fundamental para o HSV ao ser uma das peças-chaves do time no título da já extinta Taça das Taças UEFA. O meia inclusive marcou um dos gols da vitória por 2 a 0 sobre o Anderlecht na final da competição. Ainda naquela época, o Hamburgo acabou sendo vice-campeão da Supercopa da UEFA ao empatar com o Liverpool em 1 a 1 na partida de ida da decisão da competição e levar um acachapante 6 a 0 na volta.

Aos poucos, o talentoso jogador ia se consolidando cada vez mais na Alemanha, visto que já colecionava convocações para a seleção nacional. No Hamburgo, a temporada 1978-79 foi importantíssima graças ao fato de que com as chegadas de Branko Zebec e Ernst Happel, Magath teria outros companheiros de alto nível podendo auxiliar a levar o seu clube a um posto de alto nível. Logo na primeira temporada do trio dinâmico, o título da Bundesliga foi conquistado.

Em 1980, Magath compôs o elenco da Nationalelf que acabou sagrando-se campeã da Eurocopa, contudo, o foco do jogador estava mesmo era em seu clube e na temporada 1981-82 ele voltaria a erguer a salva de prata, o que ajudou a diminuir a lamentação pelo fato do Hamburgo ter ficado com o vice-campeonato da Copa da UEFA ao perder para os suecos do Göteborg na final.

Eis que podemos usar o clássico ditado: depois da tempestade vem a bonança. Após o tropeço na final da Copa da UEFA, a temporada 1982-83 marcaria a redenção daquele grande time do Hamburgo e do nosso personagem em destaque. Com grande ajuda do Craque de hoje, os alemães fizeram uma grande campanha na Liga dos Campeões e chegaram até a final contra a grande Juventus de Paolo Rossi, Platini e Boniek. Na grande decisão, onde os Rotthosen eram franco atiradores, Felix Magath acertou um grande chute de fora da área, marcando o único tento da partida e assegurando o título para sua equipe. De fato, a glória máxima na carreira do tão habilidoso meia, que ainda nessa temporada viria a conquistar mais uma Bundesliga.

Após o título da LC, Magath e seus companheiros acabaram por ficar com dois vice-campeonatos no ano de 1983. Na Supercopa da UEFA, após um empate de 0 a 0 na ida, os escoceses do Aberdeen venceram na volta por 2 a 0 e conquistaram o campeonato. Na Copa Intercontinental, o adversário era o Grêmio de Renato Gaúcho que venceu por 2 a 1, com direito a gol no último minuto do falastrão que já teria dormido com mais de 5 mil mulheres.

Felix seguiu jogando até o ano de 1986, sempre no Hamburgo. Até que até então com 33 anos, decidiu pendurar as chuteiras, partindo para a carreira de técnico e deixando um legado como um dos maiores jogadores da história dos Rothosen e do futebol alemão.

Nenhum comentário: