terça-feira, 5 de novembro de 2013

A partida perfeita da Juventus contra o Real Madrid

Foto: Bleacher Report
Há 10 anos, a Juventus atropelou o Real Madrid na semifinal da Liga dos Campeões e assegurou seu lugar na decisão contra o Milan: passeio no Delle Alpi desnorteou os espanhóis, que eram os detentores do título.

Se hoje a Juventus parecia não ter grandes chances de vencer o Real Madrid sem ser contestada, há 10 anos, pela Liga dos Campeões, um verdadeiro atropelamento aconteceu em Turim, no Delle Alpi. Era uma equipe incrível comandada por Marcello Lippi, base da que foi multicampeã italiana no início dos anos 2000, antes do rebaixamento por envolvimento no Calciopoli. Ainda com nomes que vinham da década de 90, a Juve tinha Buffon, Montero, Tudor, Birindelli, Zambrotta, Thuram, Tacchinardi, Nedved, Davids, Del Piero e Trezeguet, todos em grande fase.

Letal no contragolpe, o esquadrão bianconero reverteu a desvantagem no agregado, quando perderam em Madrid por 2 a 1, gols de Ronaldo e Roberto Carlos. É pertinente lembrar que nas quartas de final, o Real vinha de uma atuação assombrosa contra o Manchester United em Old Trafford, onde venceu por 4 a 3. Motivados, os merengues não conseguiram derrubar a Velha Senhora, que estava na ponta dos cascos.

Ainda chamam aquela tarde de 14 de maio de 2003 como uma "partida perfeita" por parte de Lippi e seus pupilos. Del Piero estava inspirado e Trezeguet não falhou quando ficou cara a cara com Casillas. A pressão dos donos da casa em Turim surtiu efeito, e quando a bola era roubada no meio campo, poucos toques eram necessários para que uma ação defensiva se tornasse em um xeque-mate.

Como se não bastasse o primeiro gol de Trezeguet em assistência de Del Piero, o segundo do próprio Del Piero em jogada individual entortando a zaga, Figo ainda perdeu um pênalti no segundo tempo, batendo de forma displicente para a defesa de Buffon. Nada podia dar errado para a Juventus naquela reviravolta contra o Real. Nedved aumentou o placar de 3 a 0 com uma finalização perfeita de fora da área, aproveitando um lançamento perfeito de Zambrotta por entre os marcadores. O tcheco partiu do jeito que mais gostava entre Hierro e Salgado e mandou um balaço para vencer Casillas. Zidane até marcou um gol aos 44, mas era tarde demais para uma reação.

Nervoso após o baque, o Real Madrid abusou das faltas e viu quatro de seus atletas punidos com o cartão amarelo: Salgado (só pra variar), Hierro, Figo e Flávio Conceição, que saiu para dar lugar a Ronaldo após o intervalo. Vicente del Bosque provavelmente não esperava que o Fenômeno precisasse entrar em campo e que seu time fosse conseguir administrar a vantagem. Se enganou duas vezes, e o brasileiro não pôde fazer muita coisa.

Não foi lá uma partida de xadrez jogada por Lippi e Del Bosque. Poderia ser melhor sintetizada como uma luta de boxe onde o italiano nocauteou o bigodudo espanhol com golpes cirúrgicos no começo da luta. E essa é sem dúvida uma das partidas mais emblemáticas da Juventus pela Liga dos Campeões. O problema é que na decisão veio o Milan de Shevchenko, e o fim dessa história vocês já sabem.

Juventus 3-1 Real Madrid
14 de maio de 2003, no Delle Alpi, Turim
Semifinal da Liga dos Campeões, jogo de volta
Juve: Buffon, Montero, Tudor, Birindelli (Pessotto), Zambrotta, Thuram, Tacchinardi, Nedved, Davids (Conte), Del Piero e Trezeguet (Camoranesi). Técnico: Marcello Lippi
Real: Casillas, Salgado, Roberto Carlos, Hierro, Helguera, Zidane, Figo, Guti, Flávio Conceição (Ronaldo), Cambiasso (McManaman) e Raúl. Técnico: Vicente del Bosque
Gols: Trezeguet, 12; Del Piero, 43; Nedved, 73, Zidane, 89.


Felipe Portes é estudante de jornalismo, tem 23 anos e é o dono e criador da Total Football. Work-a-holic, come, bebe e respira futebol.

"O futebol na minha vida é questão de fantasia, de imaginário. Fosse uma ciência exata, seria apenas praticado por robôs. Nunca fui bom em cálculos e fórmulas, o lado humano me fascina muito mais do que o favoritismo e as vitórias consideradas certas. Surpresas são mais saborosas do que hegemonias.

No twitter, @portesovic.

Nenhum comentário: