quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Ouro derretido

Foto: Who ate all the pies


Ouro derretido é talvez a melhor descrição para o túnel de ostracismo em que Adrian Mutu entrou em 2010. Descoberto no Dinamo Bucareste em 1999 depois de passar pelo Arges Pitesti, o romeno em pouco tempo adquiriu o status de grande promessa no país. A marca de 29 gols em 41 jogos impressionou a Internazionale, que amarrou o jovem e viu um gol logo em sua estreia contra o Milan.

Discretamente foi ficando de lado e o empréstimo ao Verona fez bem ao garoto. Dois anos depois, em sua chegada ao Parma, sua fama foi alavancada no Ennio Tardini. Ao lado de Alberto Gilardino e Adriano, Mutu mostrou que estava de volta e tinha personalidade para brilhar na Serie A. Em 2003, seduzido pelos 22 milhões de euros do Chelsea, arrumou as malas e foi viver o sonho londrino na equipe emergente de Roman Abramovich.

Eis que o primeiro sinal de decepção aconteceu. Durante o mês de setembro de 2004, foi flagrado no doping porcocaína. Foi o prelúdio de um caminhão de encrencas durante a sua caminhada. A primeira roda desse caminhão veio durante o período em que Adrian esteve fora do esporte, encarando seu banimento. Em matéria cabeluda do The Sun, uma atriz pornô romena fez revelações chocantes a respeito do atacante do Chelsea.

A mais grave delas era que o rapaz estava fazendo uso de cocaína por quase um ano, deflagrando um problema mais sério do que simplesmente um teste de doping. Entre uma dopagem e outra, Mutu se envolveu em uma orgia com a atriz, que acrescenta ter seu sangue chupado (!!!!???) após descascar um abacaxi num quarto de hotel. (Preferi não imaginar a cena para poupar meus bons costumes)

Sabemos bem que jogadores por vezes se envolvem em polêmicas desse gênero. Entretanto, é um tanto quanto arriscado ter seu nome nas páginas de tablóide retratando um episódio como esse, especialmente se encarando uma punição severa por uso de entorpecentes. Destinado a torrar na fogueira da perdição, o possível craque retornou em grande estilo pela Juventus, em 2005. Nova tempestade veio quando a FIFA ordenou que Mutu pagasse 17 milhões de euros ao Chelsea, em 2008, pela quebra do contrato, quando o romeno já estava defendendo a Fiorentina.

Foram bons anos na Viola, excelentes atuações e convocações para a seleção, o cargo de estrela maior romena na disputa da Euro 2008, a volta por cima era quase uma recompensa por andar na linha. Contudo, mesmo sendo aclamado em Florença, consolidado como maior craque de uma geração na Viola, em 2010 novamente foi pego no doping. Suspenso por seis meses, apesar da reincidência, ficou na geladeira e em 2011 foi negociado com o Cesena, onde se encontra até hoje.

2 comentários:

Douglas Muniz disse...

O Mutu cheirou a sua própria carreira (ns). Mas tinha potêncial para ir além do que foi, me lembro depois da Euro 2008, a Roma quase o levou, talvez daria muito certo com o Totti...

Douglas Muniz disse...

Ai eu perambulando pelo Trivela.com encontro essa noticia: http://trivela.uol.com.br/franca/mutu-chega-ao-ajaccio-e-desafia-farei-mais-gols-que-ibra, como dizia Avallone: Parem as máquinas!!!