segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Aquele: Garrincha no Olaria

Foto: Placar
É hora de estrear uma nova seção na casa. Desta vez, falamos daquele jogador que vestiu uma camisa que você provavelmente não imaginava, num período meio obscuro. No episódio de hoje, falamos sobre o ano em que Garrincha jogou pelo Olaria. 

O ano era 1972. Garrincha estava com 38 anos e praticamente aposentado, já que não atuava desde 1969, quando deixou o Flamengo. Lesões graves e a forma física precária impediam Mané de mostrar sequer 10% do seu potencial.

Trazido para o Olaria com a ajuda de empresários, Garrincha viveu seu último ano como profissional durante uma turnê do clube carioca pelo Brasil. A estreia do camisa 7 foi contra o Flamengo, num empate em 1 a 1 no Maracanã. Por mais que o ponta-direita não tivesse feito o que lhe tornou famoso nos anos 60, o registro dos oito jogos em que Mané vestiu a camisa azul e branca.

Formação do Olaria em 1972, com Garrincha.
Mané é o primeiro agachado da esquerda para a direita.
Foto: Sidney Rezende
Durante essa turnê nacional do Olaria, Garrincha só marcou uma vez, contra o Comercial de Ribeirão Preto. Em entrevista ao Globoesporte.com, o goleiro Paschoalin conta como foi que entrou para a história de Mané: "O Garrincha não parecia ser jogador, uma pessoa famosa. Hoje, eu fico feliz de ter tomado um gol dele. Ele tinha a condição técnica dentro de si, mas já não tinha corpo para aquilo. Mas o pouquinho que ele fez, foi o bastante para podermos rever o que ele tinha feito".

Quis o destino que a alegria do povo se aposentasse num 7 de setembro. E numa derrota para a Caldense, o adeus oficial de Mané foi selado com o placar de 5 a 1. O Olaria pode se gabar de ter sido um dos poucos times a contar com o camisa 7 no seu plantel, ainda que por pouco tempo.

No ano seguinte, mais de 130 mil pessoas estiveram no Maracanã para acompanhar o amistoso entre a seleção mundial da FIFA e o Brasil. O povo viu Garrincha em campo pela última vez. 

Abaixo, a matéria do Esporte Espetacular que fala sobre a passagem de Mané pelo Olaria:


*Fica o agradecimento ao irmão Arthur Chrispin, que sentou comigo para pensar o nome dessa seção e cedeu o seu icônico AQUELE.

Felipe Portes ainda é estudante de jornalismo, tem 23 anos e é o dono e criador da Total Football

"O futebol na minha vida é questão de fantasia, de imaginário. Fosse uma ciência exata, seria apenas praticado por robôs. Nunca fui bom em cálculos e fórmulas, o lado humano me fascina muito mais do que o favoritismo e as vitórias consideradas certas. Surpresas são mais saborosas do que hegemonias.

No twitter, @portesovic.

Nenhum comentário: