segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Eu vi ele jogar, bem na minha frente

Foto: Seleção do Rádio
Rodrigo Salvador, @novosomsalvador 
De Curitiba-PR
Florianópolis, 24 de outubro. Fui passear com minha namorada, tinha um compromisso (jogar bola, sério mesmo, fiz um gol mó bonito), tava um sol fuderosamente bonito o tempo todo, surfei nas dunas da Joaquina. Agora que fiz inveja, já posso ir ao que interessa: aproveitei pra assistir Avaí x Botafogo na Ressacada. Eu nutro uma simpatia pelo Avaí, mas mesmo que não fosse o caso, sempre é bom ver um futebol estando alheio ao jogo.
Ao menos eu achei que estaria alheio. Ia começar o jogo, o locutor anuncia a escalação do Avaí: Felipe, Daniel, Gian, Claudio Caçapa, uo uo uo uo uo uo uo uo uo uo uo uo uo uo uo uo uo... Assim que eu tive certeza que ia conter as lágrimas, que olhei pra mim e percebi que não estava correndo histericamente pelas arquibancadas, virei calmamente (eu acho) pra um casal perto de mim: "É o Caçapa? Aquele Caçapa?" "Sim" "Aquele que tava no Cruzeiro até pouco tempo, jogou no Galo e no Lyon?" "Ele mesmo" "CARA EU SO MUITO FÃ DELE MUITO". Eles começaram a rir e eu desconfiei que estava perdendo a compostura. Puta merda, eu não sabia que ele tava no Avaí, não tava preparado pra isso.
Caçapa. Claudio Caçapa. Eu iria ver Claudio Caçapa ao vivo. O cara que me fez querer ser zagueiro. Depois de ver tantas áreas sendo massacradas com bombardeios, "chega tal time com perigo e CAÇAAAAAAAAAPA a bola cai no pé do adversário e bate numa canela e outro cabeceia e CAÇAAAAAAAAAAAAPA e fulano pega o rebote e CAÇAAAAAAAAAAPA AFASTA DE VEZ", o monstro ia desfilar talento na minha frente. 
Começa o jogo e só da Botafogo. "Susse", pensei, "ó o Caçapa organizando a zaga toda, gênio". Ele era o cara da sobra, e aquela defesinha limitada do Avaí estava maravilhosamente posicionada só com aqueles dedinhos de ébano apontando magistralmente pra cá e pra lá. O gol do Botafogo foi inteligente: Caçapa no meio da área, um bocó afastou mal o cruzamento e o Alvinegro fez a jogada dando a volta na área, passando longe do mito. Não demorou muito e o Avaí empatou com Robinho, mas isso é só detalhe porque o que vale mesmo é Dom Claudius Caçapa I.
Se não me engano o jogo tava empatado quando um moleque avaiano se estranhou com um botafoguense. O juiz foi lá dar uma dura nele. Eu tava vendo o amarelo subindo quando chega ELE. Quem disse que o talento é só jogando monstruosamente? Deu aquele sorriso naturalmente lindo de todo negro (o sorriso negro é muito mais bonito que o sorriso branco e vai tomar no cu quem porventura discordar disso), forte e ao mesmo tempo singelo, e tudo terminou com um tapinha nas costas. Eu não teria coragem de dar um cartão amarelo se o Caçapa ficasse triste com ele. Parabéns, juiz.
Logo depois teve um gol de bicicleta do Cleverson, nem prestei atenção porque tava olhando pro Caçapa. Mentira, eu vi né, foi um golaço, mas não foi do Caçapa. E o jogo seguiu, CAÇAAAAAAPA tirando de cabeça, CAÇAAAAAAAAAPA travando um chute, CAÇAAAAAAAAAAAAPA afastando o perigo, gol do Botafogo aos 18 do segundo tempo (pura sorte), CAÇAAAAAAAAAPA salva um chute a queima-roupa, CAÇAAAAAAAAAPA CAÇAAAAAAAAAPA CAÇAAAAAAAAAPA CAÇAAAAAAAAAPA e eu delirando. "Parem de rir de mim seus hereges, eu to emocionado", foi uma das poucas frases com um mínimo de sentido que falei pros meus amigos e pro casal que me confirmou que era ele mesmo ali.
Aí que o Avaí saiu jogando, bola no pé dele. Ele corta um atacante pra pegar o pedaço mais aberto do campo (coisa de zagueiro com visão de jogo, aprendi com você caçapinha). Leva mais um pouco e ninguém marca ele. Continua carregando e passa do meio campo. Eu levanto. Ele dribla o volante. VAI CAÇAPA, eu já tô sem ar. Ele abre o jogo na lateral e corre pra área. CRUZA NO CAÇAPA!! Cruzou errado o animal, tirou o gol do Caçapa. Mas esse foi o lance mais importante do jogo pra mim, não me julguem.
41 do segundo tempo, chute de fora da área, rebote e gol. Justiça no placar, gol do time que tem Caçapa na zaga. Dizem que Loco Abreu, Cortês, Renato, Jeferson e Maicosuel estavam lá sábado, que teve homenagem pro William Batoré, que o goleiro do Avaí fechou o gol, mas nem lembro disso aí. Claudio Caçapa afastou tanta bola nas tardes e noites da Band quando eu tinha meus, sei lá, 12 anos, que é meu primeiro ídolo de verdade. Nunca passou pelo meu time, nunca passou pela Seleção (injustiça), mas eu grito CAÇAAAAAAAAAAPA até hoje quando tiro uma bola difícil e vou continuar gritando. Obrigado por tudo, Caçapa, principalmente por essa surpresa. E não duvidem da minha masculinidade, a patroa tava comigo no jogo e não vai gostar dessas brincadeirinhas de mal gosto. Nem o Caçapa.
PS: Falando no meu time, só queria deixar aqui meus parabéns pro Rei do 0x0. Forte abraço, e contratem o Caçapa.

3 comentários:

Leonardo disse...

Claudio Caçapa tem quatro partidas pela seleção brasileira entre 2000 e 2001. Era dele a camisa 15 na Copa das Confederações de 2001.

Rafael disse...

MITO

Júlia Mariano disse...

Que sensacional!! Privilégio ter visto esse jogo! Mas peraí, como você não se lembra do Loco Abreu?! O GRANDE Loco Abreu! O cara é incrível.

OK... Nada que se compare ao Caçapa.