quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Sede de vitória

Pjanic comemora o segundo gol bósnio contra a Letônia: susto durou 12
minutos e a virada começou com Misimovic (Foto: UEFA) 





Na última vez em que disputou um jogo por alguma Eliminatória, a Bósnia apanhou feio de Portugal valendo a vaga na Eurocopa de 2012. Aquela mesma equipe agora volta para tentar uma classificação histórica para a Copa de 2014, no Brasil. 

Dona de um plantel consistente e formada por talentos com média de idade de 26 anos, a seleção bósnia é talvez um dos países mais preparados para competições em longo prazo. Bem verdade que o grupo em que eles estão envolvidos nestas Eliminatórias não é dos mais fortes (Grécia, Eslovênia, Lituânia, Letônia e Liechtenstein), no entanto, a superioriade demonstrada é algo a se comemorar por parte dos atletas.

Atropelando Liechtenstein na primeira rodada, por 8-1, os comandados de Safet Susic desempenharam uma grande participação ofensiva e dividiram o poder entre suas maiores estrelas, como Miralem Pjanic, Zvjezdan Misimovic, Vedad Ibisevic e Edin Dzeko. O domínio e a troca de posse entre eles foi tão grande que os quatro balançaram as redes. Misimovic marcou duas vezes, Ibisevic e Dzeko três. Foi a recompensa para quem buscou a vitória a todo instante e amassou por completo as esperanças do adversário de não sair de campo de forma vexatória.

No papel, a formação utilizada (contra Liechtenstein) é o 3-5-2, escalado com Begovic; Spahic, Vranjes e Sunjic; Zahirovic, Pjanic, Misimovic, Salihovic e Vrsajevic; Ibisevic e Dzeko, estabelecendo uma boa ligação entre o meio e o ataque, também privilegiando a posse de bola. A aproximação de Pjanic e Misimovic na grande área potencializa o perigo nas ofensivas, dado o fato de que muitas vezes eles aparecem de surpresa para compor a linha de frente.

Já está provado que Safet Susic usa a força máxima que tem à sua disposição, não gerando controvérsias em torno das convocações. Nenhum grande nome ficou de fora da lista, o que pode ser notado também pela composição do banco de reservas, com Ibricic, Medunjanin e Lulic (que foi titular contra a Letônia nesta terça, na vaga de Vrsajevic), outras promessas do futebol local.

Diante de seu público, em Zenica, a Bósnia entrou em campo contra a Letônia disposta a repetir a goleada anterior. Não fosse o gol madrugador de Kaspar Gorkss, aos cinco minutos, para arrepio da torcida que compareceu em massa. Sete minutos após o susto, Misimovic deu números iguais por meio de uma penalidade e a normalidade foi restabelecida. 

Antes do intervalo, Pjanic colocou seu time na frente e só se via o delírio nas bancadas. Daí em diante foi só festa. O mesmo Misimovic tornou a marcar aos 10 do segundo tempo e antes do soar do gongo, aos 44 da etapa final, Dzeko deixou seu quarto tento na competição e fechou a conta no 4-1. 

O grande desafio que ainda está por vir será mesmo contra a Grécia, que como todos sabem, arma um ferrolho ao enfrentar oponentes com boa vocação ofensiva. Fora de casa, a Bósnia deve no mínimo segurar o empate diante dos helênicos, na teoria. Será um grande passo rumo ao primeiro lugar da chave, em busca da tão sonhada classificação para o próximo Mundial. 

Façam suas apostas, mas ao que tudo indica, o agrupamento G não fugirá do óbvio. Se o trem continuar nesses trilhos, a Grécia deve mesmo ficar para repescagem, alguns pontos atrás dos guerreiros bósnios que tanto lutam pela sua redenção. É questão de tempo para que aquela dolorosa derrota diante de Portugal fique para trás. 

Nenhum comentário: