sexta-feira, 30 de março de 2012

Craques: Paulo Wanchope

Com duas participações em Mundiais no currículo, Wanchope foi
um dos grandes nomes costarriquenhos no futebol (BBC)
Felipe Ferreira, @felipepf13
De Araçatuba-SP

Todo país que tem futebol e uma seleção filiada à FIFA possui um jogador que é idolatrado por toda a população. O Brasil tem Pelé, a Argentina tem Maradona e a Costa Rica tem Paulo Wanchope. Sem a mesma qualidade dos dois gênios, o atacante é idolatrado pelos costarriquenhos na mesma proporção do que os anteriores, tudo isso graças a uma mítica carreira.

Tudo começou em uma cidade da Costa Rica chamada Heredia. Por lá, Paulo se destacava tanto nas quadras de basquete como nos campos de futebol. A recusa de uma bolsa em uma universidade norte-americana, convite vindo graças a sua enorme capacidade de encestar bolas, o levou a seguir investindo na carreira futebolística, que no fim deu bem certo. Após ter conseguido certo destaque jogando no futebol local pelo Herediano, o atacante desembarcou na Inglaterra para jogar pelo Derby County.

Ao lado de Solís, Paulo migrou para o Derby e ganhou reconhecimento internacional (BBC)
Pelas bandas da rainha Elizabeth, Wanchope desembarcou no Derby County no ano de 1996 juntamente com seu conterrâneo, o volante Mauricio Solís. Logo em sua estreia, o atacante já decidiu se consagrar quando, em partida contra o poderoso Manchester United, deixou quatro marcadores para trás e finalizou bonito sem chances para o tão consagrado Peter Schmeichel.

O golaço foi o começo de tudo em uma passagem muito boa pelo Derby. Nas duas temporadas em que jogou por lá, “La Gacela” ajudou seu time a terminar na boa 9ª colocação na temporada 97-98 e na ainda melhor 8ª colocação em 98-99. Ao todo, foram 83 jogos e 28 gols marcados. Tudo isso lhe rendeu uma valorização de seu passe e uma transferência para o West Ham.

Nos Hammers, sua participação não foi com a mesma pompa da época do Derby County, mas, o jogador foi ainda mais eficiente ao conseguir marcar 12 gols em 35 jogos na temporada 1999-00, a única que ficou em Upton Park. Ao fim de tal temporada, o West Ham contratou os grandes Davor Suker e Frédéric Kanouté, Wanchope perdeu espaço e precisava de uma nova casa, acabando por ir para o Manchester City.

Foto: football fan cast 
Na época, o City não lembrava nem um pouco o atual time que é. Sem o investimento dos xeiques, o time era bastante modesto e se encontrava nas divisões inferiores da Inglaterra. Já bem consolidado na seleção costa-riquenha, Wanchope foi muito importante para os Sky Blues, mesmo sem ter jogado muito por conta das mais diversas lesões. O costa-riquenho foi obrigado a jogar a terceira divisão da Inglaterra com o time, mas, mesmo sem poder emplacar uma grande sequência de jogos, foi um dos grandes responsáveis por colocar o time de volta na Premier League. Por lá, ficou de 2000 a 2004, jogou 64 jogos e fez 27 gols.

Em meio a sua passagem pelo City, foi que o atacante teve uma das suas passagens mais marcantes com a seleção da Costa Rica. No ano de 2002, o jogador jogava sua primeira Copa do Mundo e não deixou de se destacar, embora, sua seleção tenha caído na primeira fase. Wanchope chegou, inclusive, a marcar um gol em partida contra a seleção brasileira.

Foto: The best eleven
Voltando a falar da carreira clubistíca de “La Gacela”, em 2004, ele encerrou sua passagem pelo futebol inglês e foi se aventurar na Espanha. Passou uma temporada no Málaga, onde não colecionou, muitos sucessos, mas, macarou o gol mais bonito da temporada (prêmio concedido pela ESPN) em jogo contra o Numancia.

Contudo, realmente, as lesões atrapalhavam a carreira do costa-riquenho. Após deixar a Espanha, foi para os Emirados Arábes, onde jogou apenas 6 jogos pelo Al-Gharrafa no ano de 2005. Até que no ano de 2006, interessado em se focar na Copa do Mundo do mesmo ano, voltou para sua tão querida Costa Rica afim de jogar pelo Herediano, clube que o revelou.

Na Copa de 2006, mais uma vez, a Costa Rica caiu na fase de grupos, porém, Wanchope mostrou que seu faro de gol estava intacto e marcou dois gols em jogo contra a Alemanha, em jogo que terminou 4 a 2 a favor dos germânicos.

Depois da Copa do Mundo, foi para a Argentina jogar pelos Argentinos Juniors. Ano-novo, vida nova, e em 2007, ainda jogou pelo FC Tokyo e pelo Chicago Fire, mas, sem conseguir grande sucesso.

Até que no mês de novembro de tal ano, o atacante convocou uma coletiva de imprensa em que declarou que sua situação física não era nada boa, ainda mais que havia voltado a sentir uma antiga lesão no joelho oriunda da época do Manchester City. Com isso tudo, encerrou sua carreira para a tristeza de todos os aficcionados costa-riquenhos que perderam toda a habilidade e capacidade daquele que foi o melhor de seu país, Paulo Wanchope.



Um comentário:

Anônimo disse...

Ele jogou no Rosário Central na Argentina, não no Argentinos. Se não me engano, o Conca também tava por lá na época.