terça-feira, 6 de dezembro de 2011

2010, parte 2

E agora, Cuca? (Futnet)
Leonardo Bertozzi, @lbertozzi
De São Paulo-SP

Pelo segundo ano consecutivo, o Atlético-MG contratou dezenas de jogadores, evidenciou um planejamento confuso e terminou o Campeonato Brasileiro escapando do rebaixamento apenas na penúltima rodada. Dorival Júnior, que em 2010 serviu para salvar o time, foi demitido com a temporada em curso e deu lugar a Cuca.

Depois de um primeiro turno abaixo da crítica, com apenas 15 pontos somados, o Galo mudou de rota no segundo turno. Com a ascensão de jovens como Fillipe Soutto e Bernard e a contratação de Pierre, o time ganhou corpo e melhorou seu rendimento - sobretudo como mandante, permanecendo invicto nesta condição durante toda a segunda parte do campeonato.

O balanço geral, mais uma vez, é de fracasso. A certeza de que pelo menos havia as bases para formar um time com poucas e pontuais mudanças para 2012 foi abalada pela goleada de 6 a 1 para o Cruzeiro na última rodada. O resultado, além de configurar o maior revés do Galo em um jogo contra o rival, ainda tirou a chance de classificação para a Copa Sul-Americana.

Cuca permanece, mas o abalo gerado pelas declarações pós-clássico faz com que ele já comece o novo ano sem margem de erro. Difícil imaginar que o Atlético, que desde 1991 não começa e termina o ano com o mesmo técnico, mude a história desta vez.

Nenhum comentário: