segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Descraques: Robbie Savage

Foto: Mirror
Robbie Savage era selvagem em tudo, até no nome. Épico volante galês que fez sucesso na Premier League nos anos 2000, adorava receber um cartão amarelo e fazer faltas absurdas em adversários. Rei do carrinho e da tesoura, Robbie é um legítimo Descraque

Citado pelo Daily Mail como o jogador mais ardiloso de toda a história do futebol inglês, o Tarzan de Gales aprontou das suas por quase 20 anos nos gramados ingleses. Robbie Savage hoje vive de forma mais descontraída, sem os excessos em disputas de bola que lhe marcaram como um jogador de nível internacional, mas com sérios problemas mentais.

Robbie era atacante no início da sua carreira profissional, formado no Manchester United em 1993 emprestado ao Crewe Alexandra. Por lá ficou três temporadas e conseguiu uma transferência ao Leicester, onde foi deslocado para a meia e se notabilizou como exímio caneleiro, marcando época ao lado de outros pilares da doutrina ranca toco como Vinnie Jones, Ronny Johnsen, Junior Baiano e Cléber. 

A violência quase lhe custou a vida
Com sabedoria para orquestrar a marcação e o serviço sujo intermediário, Robbie construiu uma fama de ardiloso e traiçoeiro por suas entradas desleais e comportamento corrosivo em relação aos seus adversários. Para completar, sempre dava declarações polêmicas e desrespeitosas, virando folclore na mídia britânica.

Olha o rodo, Downing! (Foto: Daily Mail)
Após sua aposentadoria em 2010, Savage confessou ao Daily Mail que recebeu inúmeras ameaças de morte, além de outras ofensas graves como ligações à sua residência, vandalismo nos seus carros, entre outras atitudes recrimináveis.

Tido como aquele jogador que você ama ou odeia, muito pela sua personalidade forte, Rob detém o segundo  lugar no ranking de cartões amarelos na Premier League. Em 12 anos de competição, viu o canário subir em 89 oportunidades. Apesar da truculência, foi expulso apenas duas vezes. O primeiro deste ranking é Lee Bowyer, com 98 amarelos. (!!!)

Com Robbie, era Halloween o ano inteiro
De partida para o Birmingham em 2002, teve grande atuação ofensiva, marcando 11 gols em 87 jogos. Seu auge veio no Blackburn, a partir de 2005, onde foi titular absoluto e por vezes até capitão dos Rovers. É claro que Robbie tinha bons dotes na cobertura e no desarme, mas abusava deles. Embaixador dos sarrafeiros, cansou de fazer voar sua cabeleira loira em carrinhos. Quase uma Spice Girl, só que ao contrário. 

Foto: Daily Mail
Antes de pendurar as chuteiras, o porrete e a armadura, Robbie foi figura ilustre num frágil Derby County que lutava pela permanência na Premier League. Suas traulitadas não mais eram úteis aos Rams, que ficaram com a lanterna da temporada 2007-08 com lamentáveis 25 pontos atrás do Birmingham, penúltimo colocado.

Uma epifania em Brighton
Rebaixado, foi emprestado ao Brighton & Hove para uma fase um tanto quanto inusitada. Em 22 jogos levou apenas um cartão amarelo e retornou ao seu glorioso Derby para mais duas temporadas.

A última, diga-se de passagem, bem no modo Savage de ser. 40 compromissos e 13 cartões, mostrando que não era a sua despedida que o faria amolecer o coração. A máquina de cacetadas estava a todo vapor antes do último adeus.

Ai, Robbie, sua louca! (Foto: Guardian)
Dançarino e comentarista
Depois de deixar o futebol profissional, Robbie agora é colunista do Mirror Football e recentemente participou de um reality show parecido com o famigerado Dança dos Famosos (foto ao lado) na Inglaterra. OLOCO MEU.

Em outubro de 2010, pelo Dancing with the stars, quebrou o nariz ao realizar uma manobra mais do que ousada em frente às câmeras. Que virada de carreira, amigão, pra não dizer outra coisa, tanto no pessoal quanto no profissional.

Contudo, nem com muito esforço Savage conseguiu apagar sua fama de bad boy. Lutando para se desfazer do passado brucutu, agora sua maior arma são as palavras, mas é preciso reconhecer que ele está indo bem como colunista, mais do que nunca, bicho. Num dia desastroso para o futebol inglês, Robbie escreveu sobre seu ex-companheiro de seleção galesa, Gary Speed, morto neste domingo.


Felipe Portes é estudante de jornalismo, tem 23 anos e é redator na Trivela, além de ser o dono e criador da Total Football. Work-a-holic, come, bebe e respira futebol.

"O futebol na minha vida é questão de fantasia, de imaginário. Fosse uma ciência exata, seria apenas praticado por robôs. Nunca fui bom em cálculos e fórmulas, o lado humano me fascina muito mais do que o favoritismo e as vitórias consideradas certas. Surpresas são mais saborosas do que hegemonias.

No twitter, @portesovic.

Nenhum comentário: