segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Gente legal pra caralho

Foto: Pop.com.br
Rodrigo Salvador, @novosomsalvador 
(Que deveria estar de folga mas resolveu importunar o editor, de recesso)
De Curitiba-PR

Oi gente legal, hoje vou falar sobre gente legal. Isso pra vocês não acharem que eu sou mal humorado e só reclamo de tudo, porque eu reclamo do que merece e um bom exemplo é quem reclama de eu reclamar e ah foda-se isso.

O primeiro cara legal é o Dedé. Eu tinha um puta preconceito com ele por ser zagueiro e chamar Dedé, puta merda isso lá é nome de zagueiro? Mas ele conseguiu ganhar uma vaga na zaga do meu time de ídolos que nunca jogaram no Coxa (ao lado do Caçapa) a despeito desse apelido idiota com um futebol fodaço, e agora até gol resolveu fazer. O segundo gol contra o Botafogo, inclusive, começou numa jogada dele. Puta cara legal (mas reflita sobre trocar esse nome).

Fabuloso também é legalzão. Ele tem uma parada que uma galera não tem, ele vive o jogo. Nego que não vive o jogo não dá valor pra um momento putaqueparivelmente grandioso e comemora com joão sorrisão ou usando mascara da própria cara. Não que os outros que não comemoram assim não sejam legalzões, mas o Fabiano comemorou PARA CARALHO o gol contra o Avaí. Deve ter pressão junto, a zica que ele tava e tudo mais, mas gol foda tem que ser comemorado assim. E só vivendo o jogo pra isso acontecer. O Willian do Coxa também joga assim, Petkovic jogava assim. Futebol é coisa séria, quer rir vai no circo, quer passear vai no parque, quer dançar o tigrão vai te ensinar.

Eu fui ver Coxa 2-0 Flamengo e tem dois caras legais pra falar de lá. Um é o Maranhão, que além do golaço salvou um quero-quero atropelado inescrupulosamente por uma bola malvada e cheia de malefícios em seus gomos. O Angelim tava ali perto e ficou com nojinho, aí que veio o Maranhão e levou o quero-quero pra fora sob aplausos. E quase que não adiantou nada porque o gandula (que não é legal pra caralho) largou o bicho do lado da placa de publicidade, e só se tocou com a torcida ali pedindo pra levar o coitado pra outro lugar. 

O outro cara legal do jogo é um moleque que tava do meu lado. Dois, no máximo três anos. Um quilo de carne em cada bochecha. Camisa do Coxa, o pai e a mãe também. E ele pulando loucamente e gritando e fazendo “Vamos vamos meu verdão” com o braço. Véi, eu não posso com criança em estádio, eu fico babando, eu esqueço o jogo. Criança e velhinho, principalmente velhinha, aquelas que levam almofadinha do time pra sentar. Eu ouço muita gente falando que futebol isso, futebol aquilo, não presta, não serve pra nada e blá blá blá. Imagina o quanto essas velhinha não ouviram e ainda tão lá. Ah, são campeãs do Campeonato de Seres Humanos*.

Também tem uns caras legais tipo o Cortês, o Neto Berola (cujo nome é Sosthenes, sério, nome + alcunha mais legal da humanidade desde Pepino, o Breve), o São Marcos e Damião, mas todos jogam em times que perderam na rodada (Palmeiras empatou mas PORFAVORNÉ, convenhamos) então merecem só uma menção. O último cara é o chefe Felipe Portes. Mentira, não sei se é legal, mas espero que seja, porque ele vem passar a semana aqui em casa. Se eu sentir falta de alguma coisa eu falo (DENUNCIO) no texto da semana que vem.

* © Copyright by Arthur Chrispin. Todos os direitos reservados. Inclusive o de ser freguês no Couto.

** O editor deste texto agradece o elogio e promete não furtar nada da residência durante a estadia.

Um comentário:

Bonetti disse...

Acompanho seus comentários ácidos desde a várzea, Sabão meu nobre...vc é um cara legar pra caralho, rs!
Abraço!