sexta-feira, 13 de abril de 2012

Craques: Carlos "El Lobo" Diarte

Carlos "El Lobo" Diarte em seu início de carreira. 
Desde os 16 anos, brilhava com o Olimpia
Foto: ABC
Felipe Ferreira, @felipepf13
De Araçatuba-SP

Carlos "El Lobo" Diarte pode ser considerado um dos maiores atacantes do futebol sul-americano. Contudo, poucos conhecem este verdadeiro mito, com exceção do povo paraguaio que o idolatra até hoje como um dos maiores do esporte local. Ídolo no Olimpia e com uma passagem de sucesso pelo futebol espanhol, o antigo goleador perdeu uma dura batalha contra o câncer e se foi no ano de 2011. Ainda sim, a lenda permanece intacta.

Logo com 16 anos, Diarte já recebeu uma oportunidade como profissional. No ano de 1971, a promessa estreava com a camisa do Olimpia, clube responsável por formar o atleta, e, na sua estreia, já mostrou que tinha faro de gol. Em um duelo contra o River Plate de Assunção marcou um dos gols da sua equipe e deixou todos em êxtase, já que era sabido que aquele jovem viria a ser um grande nome no futuro.

Na sua primeira temporada como profissional, já foi coroado com o título do Campeonato Paraguaio. De fato, era questão de tempo pro garoto se aventurar na Europa. Com sua grande velocidade e faro de gol cada vez mais apurado, assim que "El Lobo" completou 18 anos já rumou para a Espanha afim de defender as cores do Zaragoza, tudo isso no ano de 1973.

Com os Zaraguayos, El Lobo começou a brilhar no futebol espanhol
Foto: As
Pelo Zaragoza, o atacante se encontrou com a equipe que recebeu o apelido de Zaraguayos por contar com outros grandes jogadores paraguaios como Saturnino Arrua e Felipe Ocampos, El Lobo se aproveitava ainda mais do seu porte físico avantajado, usando-se muito bem do cabeceio, além, óbvio, da velocidade. Colecionando boas atuações e respondendo em campo ao investimento feito, Diarte passou bons tempos nos blanquillos, com destaque para o vice-campeonato espanhol conquistado na temporada 1974-75. O bom futebol rendeu novos olhares e no ano de 1976, o goleador paraguaio se transferiu para o Valencia.

No Valencia, o paraguaio compôs um inesquecível trio ofensivo 
ao lado de Kempes e Rep Foto: El Mundo
Chegando ao Mestalla para defender o Valencia, Carlos Diarte compôs um dos mais míticos trios ofensivos da história do futebol espanhol ao lado do artilheiro argentino Mario Kempes e do mito holandês Johnny Rep. Com tantas estrelas ao seu lado, o paraguaio não marcou gols na mesma proporção, mas nem por isso deixou de ser importante para o clube, mesmo que o tão estrelado plantel não tenha atendido todas as expectativas.

Como saldo da sua passagem pelo Mestalla, veio o título da Copa do Rei na temporada 1978-79. Talvez, se não tivesse sofrido as primeiras lesões um pouco mais sérias de sua carreira, é provável que a passagem do paraguaio por Los Che seria ainda mais arrasadora. E no ano em que ganhou seu último título com o Valencia, El Lobo buscou novos ares, ainda na Espanha, mas, deixou o time e foi defender o UD Salamanca.

No Salamanca, o paraguaio foi obrigado a conviver com contusões, o que o impediu de manter uma boa sequência de partidas. Entretanto, em algumas poucas participações que teve, já conseguiu certo destaque ao lado de Juanito, Corominas e D' Alessandro. Passou apenas uma temporada na equipe e no ano de 1980 acabou por se transferir para o Bétis, onde voltaria a ter grande destaque.

Defendendo os verdiblancos, El Lobo ainda era sentia alguns problemas físicos, mas voltou a marcar gols em maior proporção. Com dribles fabulosos e arrancadas sensacionais que lembravam os áureos tempos, logo caiu na graça da torcida do Bétis. Permaneceu por três temporadas e assim acabou por encerrar seu ciclo no futebol espanhol, já que em 1983 acabou por se arriscar no futebol francês defendendo o St. Etiénne.

Na França, ele conseguiu encaixar alguns bons jogos, mas, então com 33 anos, sentia que era a hora de voltar ao seu tão querido Paraguai afim de fazer sua última temporada pelo time que o revelou para o mundo e sua volta para o Olimpia para que fizesse sua última temporada foi decretada, isto no ano de 1987.

Em sua temporada final no mundo do futebol, El Lobo foi simplesmente sensacional e viu sua carreira ter o desfecho final que merecia. A idade pesava um pouco, mas o atacante ainda assim tratava bem a bola e até mesmo rascunhava algumas arrancadas, com isso tudo, veio o título paraguaio no ano de 1987, fechando com chave de ouro uma carreira tão brilhante.

Já aposentando, El Lobo investiu na carreira de técnico; 
Na foto, é apresentado na seleção de Guiné Equatorial Foto: EFE
Já aposentado, Diarte tentou a carreira de técnico. Treinou diversas equipes do futebol espanhol tais como o Valencia e o Salamanca, pelos quais brilhou como atleta. Em 2009, assumiu a seleção de Guiné Equatorial, mas, infelizmente, teve sua carreira de treinador interrompida. No dia 28 de junho de 2011, perdeu um desafio mais duro do que qualquer final de campeonato: a batalha contra o câncer.

Ao fim de um ciclo glorioso, fica o legado daquele que com dribles, arrancadas e gols maravilhosos foi um dos mais contundentes e estupendos camisa 9 não só do futebol paraguaio, como do sul-americano em geral.

Nenhum comentário: